Presidente da Caixa provoca torcedor do Corinthians e "ameaça" tirar estádio do clube

Arena Corinthians é motivo de divergência entre Timão e Caixa — Foto: Marcos Ribolli
Presidente da Caixa, Pedro Guimarães foi flagrado pelas câmeras "brincando" com um torcedor do Corinthians sobre o pagamento da Arena, em Itaquera, durante visita a um lançamento de condomínio popular em Bagé, na região de fronteira do Rio Grande do Sul, nesta sexta-feira.
Pedro estava acompanhado do Presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), já que a obra foi feita com recursos federais.
Me deixa bonito hein, cara? Qual o teu time? É flamenguista, também? Corinthians? Vai ficar sem estádio, hein. Fica esperto aí, hein? Se não pagar, a gente tira, hein? Mengão vai jogar em São Paulo. Se pagar, ok. Se não pagar, não. Não tem mais aquela maluquice, não. É de todos os brasileiros. Fica esperto aí – disse Pedro Guimarães, depois de uma entrevista à TV Brasil.
Procurado pelo ge, o Corinthians ainda não se manifestou por nota oficial. O presidente Andrés Sanchez, quando procurado, questionou "qual o problema" do vídeo e disse que não vê maldade nas "brincadeiras" de Pedro Guimarães. A Caixa ainda não se manifestou oficialmente sobre o caso.
Entenda o caso
Em maio, a Caixa e o fundo Arena Itaquera S/A, que tem o Corinthians como sócio e é dono do estádio do clube, pediram à Justiça que suspenda por mais um mês a ação movida pelo banco estatal para executar a dívida referente ao financiamento da obra em Itaquera.
A medida visa dar mais tempo para que Caixa e Corinthians cheguem a um acordo amigável. E o processo fica suspenso até 13 de agosto.
Em setembro do ano passado, a Caixa entrou com ação na Justiça cobrando R$ 536 milhões da Arena Itaquera S/A. O banco alega atraso de seis parcelas do pagamento mensal do estádio, de março a agosto de 2019.
Desde outubro, Caixa e Corinthians discutem um acordo amigável e já tiveram avanços nas tratativas. Foi acordado um prazo de mais quatro anos para quitação (era 2028 e passará a ser 2032), assim como a flexibilização do valor da parcela a ser paga nos meses em que não há jogos no estádio.
Porém, uma divergência ainda impede que o novo contrato seja assinado. A Caixa cobra uma multa de aproximadamente R$ 50 milhões do Corinthians, a qual a diretoria alvinegra não concorda em pagar.
Há em contrato uma multa pequena (de aproximadamente R$ 5 milhões), que o Corinthians aceita, mas também uma multa judicial, que a gente não aceita. Por quê? Porque isso não passa no Conselho. Você não multa quem você está fazendo acordo – afirmou Matias Romano Ávila, diretor financeiro do clube, em entrevista ao podcast GE Corinthians em março.

Por Ana Canhedo 
Globoesporte.com
São Paulo
Share on Google Plus

Inicio Esporte do Vale

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado em breve após ser analisado pelo administrador