A noite mais triste da história do futebol europeu completa 35 anos

Michel Platini e Alan Hanse, Juventus X Liverpool 1985 — Foto: Getty Images
A sucessão de erros envolveu a venda de ingressos para torcedores do Liverpool e da Juventus, atrás dos gols do velho estádio Heysel, em Bruxelas. Os italianos nos setores M, N e O e os ingleses no X, Y e Z. Ocorre que havia muito menos torcedores vindos da Inglaterra do que da Itália e os organizadores decidiram deixar o setor Z para os neutros. O alerta foi dado, de que os italianos poderiam acessar aquele setor. Ia dar confusão.
Não que os italianos fossem os culpados, ainda que houvesse depoimentos sobre provocações. A torcida do Liverpool abriu uma fenda na grade de separação e invadiu o terreno. Durante uma hora, antes da final da Copa dos Campeões da Europa começar naquele 29 de maio de 1985, os ingleses agrediram e pressionaram os italianos perto das grades. Houve 39 mortes. A hora mais triste da história do futebol europeu.
A final aconteceu uma hora depois dos assassinatos de 39 pessoas e talvez tenha sido a pior de todas as finais. Os jogadores relatavam a tristeza de atuar perto da tragédia. A Juventus venceu por 1 x 0, gol de Michel Platini.
Além da divisão equivocada dos lugares para as torcidas, houve mais falhas da organização. A fenda aberta na divisão de torcidas devia-se, provavelmente, à má conservação do estádio de 55 anos. Os depoimentos dos clubes que lá jogaram nas semanas anteriores eram de péssimas condições, do gramado à ferrugem nas grades. Cogitou-se mudar a decisão para o Camp Nou ou Santiago Bernabéu, mas a Uefa não aceitou a transferência.
Heysel já tinha sido palco de decisões em 1958, 1966 e a última em 1974, entre Bayern e Atlético de Madrid. Os onze anos de distância envelheceram o palco. Além disso, a violência campeava naquele período de hooligans. Em 1975, a torcida do Leeds United ajudou a destruir boa parte de Paris, antes e depois da final contra o Bayern, no Parc des Princes.
Dezoito dias antes da tragédia em Heysel, 56 pessoas haviam morrido em Valley Parade, durante a partida entre o recém-campeão da Terceira Divisão, Bradford, contra o Lincoln. A transformação do futebol inglês só viria mesmo depois da tragédia de Sheffield, quatro anos mais tarde, quando 94 pessoas morreram na semifinal da Copa da Inglaterra, entre Liverpool e Nottingham Forest.
Depois de Sheffield, no estádio Hillsborough, o governo britânico interveio, mudou estádios, interferiu de modo a fazer o futebol ser visto como indústria. Ou se combatia a violência ou não haveria jogos.A Inglaterra mudou.
Antes, a partir de 1985, a Uefa começou a transformar o futebol europeu. Não que não exista nunca nenhum tipo de distúrbio, mas nunca mais como em Bruxelas 1985 ou Paris 1975. O mais próximo disto aconteceu em Istambul, 2000, com distúrbios provocados entre torcedores do Galatasaray e Leeds United, na semifinal da Copa da Uefa.
Os clubes ingleses foram excluídos das competições europeias por tempo indeterminado. Cumpriram cinco anos e, ao revogar a punição, a Uefa excluiu o Liverpool por mais três. A pena acabou reduzida a mais uma temporada.
Trinta e cinco anos depois e exatamente durante a pandemia do coronavírus, a lembrança da tragédia serve para reforçar que nada vale mais do que salvar vidas.

Globoesporte.com
Rio de Janeiro
Share on Google Plus

Inicio Esporte do Vale

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário será publicado em breve após ser analisado pelo administrador